Conectando histórias

O Connected Histories é um site que oferece aos pesquisadores em História um acesso único a um conjunto de recursos digitais que vão do século XIV ao século XIX. Imprensa britânica do século XIX, arquivos judiciais, arquivos parlamentares, entre outras fontes podem ser acessadas de forma gratuita ou por assinatura. Este site é fruto do trabalho de três universidades inglesas: a Universidade de Hertfordshire, a Universidade de Londres e da Universidade de Sheffield, que se uniram em um objetivo em comum e indexaram seus recursos através de ferramentas de análise semântica que permitem aos usuários obter em uma única pesquisa todas as informações sobre local, data ou uma figura histórica.

Fonte: Connected Histories : une nouvelle porte d’entrée sur les fonds numérisés des archives britanniques

O Google responde tudo?

As bibliotecas da Universidade de Quebec inovaram o seu programa de desenvolvimento de competências informacionais ao propor aos seus usuários uma série de três animações curtas e originais sobre a avaliação da informação que se encontra na internet: “Google a réponse à tout?”, “Si c’est écrit c’est vrai?” e “Wikipédia, pourquoi?”.

A primeira animação, “Google a réponse à tout?”, trata de um dos principais motores de busca utilizados na Web pelos estudantes e nos faz pensar na pergunta: o Google responde a tudo? De fato, o Google tem por missão organizar todos os documentos que se encontram na Web, no entanto ele não seleciona, não avalia a qualidade das informações contidas em tais documentos. Qual seria a melhor solução para aquele estudante que precisa fazer um trabalho de faculdade, com informações de qualidade? A biblioteca, é claro! E é isso que o vídeo mostra xD

O segundo vídeo, “Si c’est écrit, c’est vrai?”, indica aos usuários a importância da avaliação de qualidade das informações encontradas na Web e se estas são relevantes para o trabalho científico. Assim, os estudantes são convidados a responderem quatro questões básicas afim de avaliar os resultados obtidos e propiciar a escolha dos documentos relevantes para sua pesquisa.

E o último vídeo, “Wikipédia porquoui?”, apresenta a Wikipédia, e indica quando e como utilizar esta ferramenta para os trabalhos acadêmicos.

Os vídeos são muito bem feitos e bem marketeiros! Infelizmente, só encontrei os vídeos com áudio em francês. Mesmo assim, vale a pena conferir!!

Fonte: Université du Quebéc, Actualité du monde de l’information et des bibliothèques

Pôsters “Read” da ALA

Estava esses dias lendo no meu GoogleReader, uma notícia sobre um estudo sobre leitura, realizada pelo site SciencesHumaines.com.

E associada a esse post, havia algumas imagens dos pôsters (ou posteres?) que a ALA (American Library Association) vende em seu ALA Store, como uma peça de decoração para a sua biblioteca. Achei demais!
Na loja da associação americana você pode encontrar os tais pôsters de celebridades com livros, marcadores, entre outros produtos.

O que eu achei bacana nessa ideia: decoração da biblioteca.
As nossas bibliotecas daqui são bem fraquinhas no quesito decoração, estética, apelo atrativo… Por que não começar com alguns pôsters e depois ir planejando um design mais atraente? xD

Poderia ter pôsters de celebridades nacionais, por aqui né? hauhauhauahua

Todos esses produtos, você pode conferir aqui: http://www.alastore.ala.org/

Dr. House e bibliotecários médicos

Dr. House

Comecei a assistir Dr. House faz pouco tempo. Nunca achei que fosse me tanto interessar pela série, mas acabei gostando!
Ontem, em especial, passou um episódio que me fez pensar em como um bibliotecário pode atuar dentro de hospitais, e mais um exemplo de que bibliotecário não trabalha apenas na biblioteca.
A-ha!
Bom, o episódio em questão foi o número 19, da primeira temporada: Crianças (ou no original: Kids), em que

“Durante uma epidemia de meningite que se espalha por toda a clínica, House se concentra em um único paciente: uma menina de 12 anos, cujos sintomas não se parecem com os de nenhum outro doente.”

Fonte: http://uc.globo.com/house/Episodios/Kids.shtml

Neste episódio, House manda Chase pesquisar todas as doenças que tenham como sintoma dores no pescoço. Missão impossível! Mas o pobre e incrédulo Chase começa a pesquisa, de A a Z.
E então, descubro que o hospital em que eles trabalham não possui biblioteca, ou bibliotecário que auxilie neste tipo de trabalho. Ou simplesmente o House ignora que exista algum centro de documentação ou biblioteca no hospital.

Mas não apenas isto, em todos os episódios que assisti até agora (e confesso que foram poucos) observei que a equipe médica de House começa a tratar os pacientes e listam todos os sintomas que apresentam e as reações que acontece com a administração dos remédios. A partir das evidências colhidas, a equipe tenta descobrir qual é a terrível doença incomum que o sujeito tem.
E é aí que o bibliotecário poderia auxiliar na busca e recuperação de informações.
Afinal, é isso que o bibliotecário tem que fazer de melhor: encontrar a informação certa para o usuário certo.

Não sei se estou viajando, mas acredito que não. Talvez esteja sendo superficial… mas não entendo muito da área médica hehe
Agora tenho mais um exemplo de local em que o bibliotecário pode atuar, sem contar as tradicionais bibliotecas, centros de documentação e etc.
Aqui na faculdade não temos nada específico para a área médica dentro da Biblioteconomia, infelizmente.
Mas, para quem quiser ler mais sobre o assunto, recomendo os seguintes artigos:

AZEVEDO, Alexander Willian; BERAQUET, Vera Silvia Marão. Formação e competência informacional do bibliotecário médico brasileiro. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, v. 7, n. 2, p. 199-218, jan./jun. 2010. Disponível em: <http://www.sbu.unicamp.br/seer/ojs/index.php/sbu_rci/article/view/448>. Acesso em: 03 nov. 2010.

SILVA, Fabiano Couto Corrêa da. A atuação do bibliotecário médico e sua interação com os profissionais da saúde para busca e seleção de informação especializada. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, v. 3, n. 1, p. 131-151, jul./dez. 2005. Disponível em: <http://www.sbu.unicamp.br/seer/ojs/index.php/sbu_rci/article/view/326>. Acesso em: 03 nov. 2010.

CIOL, Renata; BERAQUET, Vera Silvia Marão. Evidência e informação: desafios da Medicina para a próxima década. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 14, n. 3, p. 221-230, 2009. Disponível em: <http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/775>. Acesso em: 03 nov. 2010.

http://www.sbu.unicamp.br/seer/ojs/index.php/sbu_rci/article/view/326

[Indicação] Blog BiblioComics: O humor dos cartoons no universo das bibliotecas e dos livros

Vi hoje, via Google Reader, o surgimento de mais um blog “sobre bibliotecas” na rede: o BiblioComics!
Achei o máximo a ideia deste blog: reunir tiras de cartoons e charges sobre bibliotecas e livros.
Faz um tempo que tenho buscado tirinhas sobre o assunto para as nossas singelas comemorações do Dia do Bibliotecário… e como é difícil achar, viu! Agora com esse blog fica tudo mais fácil xD

Link do blog: http://bibliocomics.blogspot.com/

 

[Dicas] Ex Libris

Mês passado li em meu Reader, um post sobre Ex Libris (pela Design*Sponge, recomendo este blog!!!) e vou repostá-lo aqui, traduzido (claro), lembrando que a idéia pertence à Amy Merrick, bem como todas as fotos postadas aqui! O texto foi levemente adaptado, ok? O original está aqui: http://www.designspongeonline.com/2010/03/made-with-love-bookplates.html

Para quem não sabe,

Ex libris é uma expressão latina que significa literalmente dos livros empregada para determinar a propriedade de um livro. Portanto, ex libris é um complemento circunstancial de origem (ex + caso ablativo) que indica que tal livro é “propriedade de” ou “da biblioteca de”.

A inscrição pode estar inscrita numa vinheta colada em geral na contra capa ou página de rosto de um livro para indicar quem é seu proprietário. A vinheta em geral contém um logotipo, brasão ou desenho e a expressão “Ex libris” seguida do nome do proprietário. É possível que contenha um lema, ou citação.

Fonte: Wikipédia (http://pt.wikipedia.org/wiki/Ex_libris)

É também uma forma de indicar às pessoas que o livro pertence a você, e lembrá-las para quem deve devolver! hehe

O que você precisa:

  • Impressora
  • Papel
  • Cortador de papel: tesoura, régua, estilete, guilhotina etc.
  • Cola bastão, fita dupla face, ou algo do tipo

– Faça o download e imprima (em alta resolução) o modelo de sua escolha:

– Use as guias de marcação e corte as partes do modelo. A guilhotina pode fazer isso mais precisamente, mas pode-se usar tesoura, estilete, régua, etc.

– Minha impressora tem a tendência de brincar com a escala de cor, quando se imprime, então sinta-se livre para configurar a página, conforme necessário, se a sua impressora faz o mesmo.

– Use uma leve camada de cola bastão ou utilize as fitas dupla face, cole seu Ex Libris no centro do verso da capa do livro.

– E claro, não se esqueça de escrever seu nome abaixo da inscrição Ex Libris!

[Dicas] Como encapar um livro

Recebi faz um tempo, via @abrapira, essa dica de como encapar um livro sem colar fitas adesivas, evitando danificar o livro.

Confiram aí:

Uma forma eficiente de perpetuar aquele seu livro bacana que você não empresta nem pro seu melhor amigo é usando a “técnica da capa personalizada”.

Vantagens

  • rápida – com treino, em menos de 2 minutos você encapa seus livros;
  • reversível – nada de cola ou fita adesiva que poderiam danificar o seu tesouro
  • econômica – dá para encapar livros com menos de R$1,50

Bem, vamos aos materiais e o passo a passo:

  • Materiais
    • Plástico grosso transparente
    • Estilete
    • Superfície para o corte
  • Passos
    1. Corte um retângulo de plástico grosso, excedendo as dimensões do livro aberto em 8 cm na altura e 10 cm no comprimento.
    2. Efetue os cortes de estilete conforme a figura
    3. Com a capa pronta, faça esta “abraçar” o livro
    4. Aguarde alguns minutos até o plástico se adaptar ao livro

Este vídeo explica melhor o processo:

Fonte: http://ideias.empaginas.com/ideias/como-encapar-um-livro

E aí? Curtiram?