Catalogando autoridades: nomes japoneses

Já faz um tempo que temos que catalogar autoridades por aqui, e uma das coisas mais complexas é catalogar nomes japoneses.
Eu estou estudando a língua japonesa, mas ainda tenho muitas dificuldades em ler os kanjis e tal, principalmente porque quando se trata de nomes pessoais os kanjis podem ter leituras variadíssimas!

 

But… Wait!
Eu consegui criar 2 táticas simples para catalogar os nomes sem ter um conhecimento profundo em kanjis.
Em todos os casos sempre usarei o VIAF como fonte positiva dos dados, ok?

 

1. Usando os dados de ISBN na WorldCat

Se o livro tiver ISBN tudo fica mais fácil. Verifique o número sempre no verso do livro e procure-o na WorldCat.

 

a. Confronte os kanjis do título que estão na folha de rosto do livro com o registro encontrado, pra confirmar que o livro e o registro são correspondentes.

jp1

 

b. Ok, o livro e o registro são correspondentes. Agora é só pegar o nome dos autores, pesquisar no VIAF e importar as autoridades para o sistema.

jp2

 

c. No VIAF, eu procuro sempre primeiro os resultados da Library of Congress dos Estados Unidos, depois pelo país de origem e às vezes a Wikipédia.

jp3

 

2. E se o livro não tiver ISBN? O que eu faço?

O nosso acervo tinha bastante livros antigos em língua japonesa sem ISBN, mas há uma forma de conseguir transliterar os nomes utilizando o Google Tradutor e o seu smartphone!

 

a. Para começar, você precisa ter um smartphone e instalar o Google Tradutor.

Screenshot_2014-11-12-10-46-39

 

b. Abra seu aplicativo e escolha as opções Japonês -> Português (ou inglês, aqui tanto faz).

Screenshot_2014-11-12-10-49-16

 

c. Tire uma foto da página de rosto, e espere o aplicativo escanear. Com a imagem escaneada selecione os kanjis que você quer transliterar.

jp4

 

d. Clique na tradução e observe que abaixo dos kanjis vem a transliteração.

jp5

 

e. Busque o termo transliterado no VIAF e importe o registro.

viafPara facilitar a busca, eu instalei as configurações de um teclado japonês no meu computador, e conforme eu digito o termo na busca do VIAF o romaji se transforma em hiragana e kanji. Mas aí é um passo mais avançado… um dia, quem sabe, eu explico huahauh

Qualquer dúvida, estou à disposição! 😉