Catalogando #4: título ou série?

Faz um tempo que recebemos mais um título da coleção Obras completas do Sigmund Freud, e por ser uma obra meio complicada deixamos ela de lado. Porém, não podemos ignorá-la para sempre né? E sempre surgem livros mais difíceis para catalogar… então peguei ela de novo para rever.

Bom, nessas horas de dificuldade, em que a gente não consegue encontrar resposta no código, temos que procurar alguém com mais conhecimento né? xD
Então mandei um email para meu colega de estágio, o Felipe, um ás na catalogação!

Mandei a página de rosto e meu questionamento.

Na minha opinião de novata, eu catalogaria da seguinte maneira:

Título Introdução ao narcisismo, ensaios de metapsicologia e outros textos : (1914-1916) / Sigmund Freud ; tradução Paulo César de Souza. –
Imprenta São Paulo : Companhia das Letrinhas, 2010
Série (Obras completas ; v. 12)

Mas a bibliotecária que trabalha comigo, catalogou uma outra obra desta mesma coleção desta forma:

Título Obras completas de Sigmund Freud / Sigmund Freud ; tradução e [coordenação] de Paulo César de Souza. –
Imprenta São Paulo : Companhia das Letras, 2010-
Descrição 20 v. :  il.
Conteúdo v. 1. Textos pré-psicanalíticos (1886-1899) – v. 2. Estudos sobre a histeria (1893-1895) – v. 3. Primeiros escritos psicanalíticos (1893-1899) – v. 4. A interpretação dos sonhos (1900) – v. 5. Psicopatologia da vida cotidiana e sobre os sonhos (1901) – v. 6. Três ensaios de uma teoria da sexualidade, fragmento da análise de um caso de histeria (“O caso Dora”) e outros textos (1901-1905) – v. 7. O chiste e sua realação com o inconsciente (1905) – v. 8. O delírio e os sonhos na grávida, análise da fobia de um garoto de cinco anos (“O pequeno Hans) e outros textos (1906-1909) – v. 9. Observações de um caso de neurose obsessiva (“O homem dos ratos”), uma recordação de infância de Leonardo da Vinci e outros textos (1909-1910) – v. 10. Observações psicanalíticas sobre um caso de paranóia relatado em autobiografia (“O caso Schreber”), artigos sobre técnica e outros textos (1911-1913) – v. 11. Totem e Tabu, história do movimento psicanalítico e outros textos (1913-1914) – v. 12. Introdução do narcisismo, ensaios de metapsicologia e outros textos (1914-1916) – v. 13. Conferências introdutórias à psicanálise (1915-1917) – v. 14. História de uma neurose infantil (“O homem dos lobos”), além do princípio do prazer e outros textos (1917-1920) – v. 15. Psicologia das massas e análise do eu e outros textos (1920-1923) – v. 16. O Eu e o Id, estudo autobiográfico e outros textos (1923-1925) – v. 17. Inibição, sintoma e angústia, o futuro de uma ilusão e outros textos (1926-1929) – v. 18. O mal-estar na civilização, novas conferências introdutórias e outros textos (1930-1936) – v. 19. Moisés e o monoteísmo, compêncio de psicanálise e outros textos (1937-1939) – v. 20. Índices e bibliografia.
Nota local A biblioteca BAS possui apenas os vols. 10, 12, 14 desta coleção

Então, o Felipe me respondeu o seguinte email:

A área de série sempre foi complicada né, é bastante subjetivo. Creio que seja a área que mais exige pesquisa externa.
Um critério que eu acho interessante, especialmente neste caso: intenção da publicação.
Se uma publicação, que não seja um periódico, iniciar sem previsão de término [poderá ter 10, 30 ou 100 volumes], eu consideraria como série. É bem provável que neste caso a publicação terá assuntos diversos.
Se a publicação iniciar com número de volumes já estabelecido, e que basicamente tratará sobre determinado assunto, eu consideraria como obra volumada.
Dá uma olhada no que a editora diz aqui:

Portanto, eu concordo com a catalogação da bibliotecária que trabalha com você.

Mas de fato é muito subjetivo… Só estou te passando a minha opinião.

Bem, uma complicação! E na verdade, um ponto de vista e uma tomada de decisão. A nossa professora, a Plácida, sempre nos disse que a catalogação é uma tomada de decisões, pois somos nós, bibliotecários, que decidimos como o usuário vai encontrar essa obra.

Mas eu ainda não me decidi qual a melhor forma do usuário encontrar este título… de qualquer forma, vou pendurar meu item no registro da Cláudia. xD

Bibliotecas no mundo cinematográfico

Bom dia! E mais um ano se passa, e começa outro! ‘Bora trabalhar!
O blog que vou indicar hoje eu já vi faz um tempinho, mas ainda não tinha arranjado tempo para mostrar aqui.
Porém, o ano está se iniciando e posso arranjar um tempinho para umas postagens né? xD

O Notorious Bib é um blog dedicado aos filmes em que bibliotecários e bibliotecas se fazem presentes na trama. Seu autor, misterpamp, faz uma resenha do filme e indica quais cenas que a biblioteca ou o bibliotecário aparece. O único porém é que o blog é francês, mas nada como um Google Tradutor se você não é um francófono xD

Você pode ler mais sobre o tema Bibliotecas e Cinema:

SILVA, Jonathan Raphael Bertassi da; ROMÃO, Lucília Maria Sousa. Arquivo em (dis)curso: o sujeito-arquivista discursivizado em Brazil, o filme. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, fev. 2011. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/fev11/Art_03.htm>. Acesso em: 19 fev. 2011.

CRIPPA, Giulia. Ordem e desordem nos labirintos da ficção: os bibliotecários e suas representações em alguns produtos culturais contemporâneos.  TransInformação, v. 21, n. 2, p. 7-22, 2009. Disponível em: < http://revistas.puc-campinas.edu.br/transinfo/include/getdoc.php?id=686&article=287&mode=pdf&OJSSID=b3345b37638ab9035d5cc880248c2fe9 > Acesso em: 10 out., 2009.

E tem mais dois trabalhos em francês: